Blog

 

 

24

out 2013

Chão de Obra – Revelando os Segredos do Verdadeiro Design

DSC01181

Criou-se uma idéia errônea em torno da profissão e dos profissionais que trabalham com design e decoração de interiores, em partes podemos afirma que isso se deve ao fato da decoração ter atendido apenas as classes dominantes durante muito tempo, casas bem decoradas eram privilégio dos nobres, hoje isso faz parte apenas da história, mas outros fatos estão criando estereótipos, que não condizem com a realidade do que os verdadeiros profissionais vivenciam em seus escritórios e em obras.

Ainda não entendi porque alguns profissionais insistem em criar uma idéia de glamour em torno da profissão… Ser designer de verdade é ser um profissional que se vê a volta com centenas de problemas para resolver ao mesmo tempo… é a pesquisa para definir o conceito do projeto para cada cliente, é o processo criativo onde temos que estar antenados as novidades tecnológicas, das artes, da produção de mobiliário, da iluminação, etc, etc, etc, ao mesmo passo que estamos solicitando orçamentos de prestadores de serviço, como pedreiros, pintores, gesseiros, marceneiros, eletricistas e de materiais, dos mais diversos e inimagináveis, definindo cronogramas de execução, pisando no chão da obra, onde é impossível usar salto alto e tendo que brigar muitas vezes… Queria saber meu caro, onde está o glamour? Somos profissionais como qualquer outro profissional do mercado de trabalho, temos nosso valor, mas ele está intimamente ligado a nossa competência, ao tempo que nos dedicamos a estudar e trabalhar e muito menos as festas ou mostras de decoração que participamos e somos fotografados… e por falar em mostras de decoração, onde o público em geral acredita que os melhores, os “vipões” são convidados a mostrar seu talento, projetando para a Casa Cor, Mostra Black, Morar Mais, entre outras. Há a imagem que esses “vipões” são patrocinados por não se sabe quem, pois saibam queridos leitores, que nessas mostras os ambientes são vendidos e os profissionais os compram, a reforma sai com o dinheiro do próprio bolso e todas as peças são emprestadas por lojas e fornecedores para montar uma grande vitrine. Fazer uma mostra de decoração realmente é uma escola, aprende-se muito, mas se promover em cima de uma idéia errada é no mínimo desespero… Outro equivoco é levar em conta revistas, principalmente as de circulação regional, qualquer um pode pagar para tem uma foto estampada em meia página, como dizia minha avó, o papel aceita tudo, até que fulano de tal se formou no “estrangeiro” e projetou para o Príncipe da Cochinchina, não vamos nem falar sobre internet… Fiquem atentos caros clientes, há muitos profissionais que usam da imagem para se projetar no mercado profissional, mas não tem a qualificação técnica para exercer a profissão, vale à pena solicitar o portfólio de projetos, conversar com antigos clientes, verificar o registro nos órgãos regulamentadores, hoje em dia levar gato por lebre sai caro, ainda mais nesse setor. Ah, outro detalhe, também desconfie de quem cobra baratinho, baratinho para fazer um projetinho, trabalhar com reforma, com o morar, a segurança e o bem estar de pessoas exige muita dedicação, nesse caso “projetinho baratinho” pode custar bem caro futuramente.

 

 

  • by clarissa
  • 0 Comment
  • out 24, 2013
  • Standard

Deixe um comentário

Tem algo a dizer?